Nómades, de Xosé Tomás.

Julho 3, 2012

nomades Este mês vamos comentar Nómades, do autor galego Xosé Tomás.

Esta obra retrata a imigraçom feminina através de diversas

histórias protagonizadas por mulheres.

A reuniom será como sempre a partir das 21:30 horas no 13.

Ali nos vemos! E lembrade traer recomendaçons par ao verao!

Anúncios

As vinhas da ira de JOHN STEINBECK

Abril 28, 2012

1.- USA : Anos 1929-1933  do século XX. Depressão norte-americana polo crack do 29 e  recessão econômica. O capitalismo incipiente amosa o seu verdadeiro eu.

2.- Um trecho do próprio livro:

Mas, olha, um banco ou uma companhia não podem viver assim, porque estas
criaturas não respiram ar, nem comem carne. Elas respiram lucros e
alimentam-se de juros. Se não conseguirem tais coisas…
(STEINBECK, 1979, Volume I: 42).

3.- E uma data para destapar a nossa garrafa de vinho de raiva e de ira :

Sexta- feira, 1 de junho às 21 horas na Gentalha do Pichel e logo, no 13.

E em abril, viramos cara a novela policíaca

Março 23, 2012

Pois assim é, para o mês de abril escolhemos uma autora francesa que assina com pseudónimo, Fred Vargas, reconhecidíssimo nome do género negro. O livro escolhido é este do que acompanhamos a imagem, em ediçom de Companhia das Letras, uma editora brasileira. O título O homem dos círculos azuis é um dos primeiros da saga protagonizada polo detective Adamsberg.

Desejamos-vos boa e proveitosa leitura e vemo-nos no 20 de abril, sexta-feira, às 21:00 horas como sempre. No bar 13 se nom houver mudanças de data ou lugar.

A conquista do pão de Piotr Kropotkin

Fevereiro 23, 2012

Data: Dia 9 de Março às 21:00 no 13. 

A conquista do pão (em francês: A Conquête du Pain) é um livro do anarquista russo -e pai do Comunismo libertário- Piotr Kropotkin. Originalmente escrito em francês, apareceu pola primeira vez como uma série de artigos nos jornais anarquistas Le Révolté e La Revolté (ambos editados por Kropotkin). Foi publicado como livro pola primeira vez em Paris em 1892 com um prefacio de Élisée Reclus, quem também sugeriu o título. Entre 1892 e 1894 foi serializado, em parte, nos jornais londrinos Freedom, do qual Kropotkin era cofundador.

Neste trabalho, Kropotkin aponta o que ele considera como as falhas dos sistemas económicos do feudalismo e do capitalismo, e como ele acha que estes criam miséria e escassez enquanto promovem o privilégio para certas classes. Ele opta pola proposta de um sistema económico descentralizado baseado na ajuda mútua e a cooperação voluntária, acertando que as tendências para este tipo de organizações já existem, ambas na evolução e a sociedade humana.

Contém os seguintes capítulos: As nossas riquezas, O bem-estar para todos, O comunismo anarquista, A expropriação, Os víveres, O alojamento, O vestido, Vias e meios, As necessidades de luxo, O trabalho agradável, O comum acordo livre, Objeções, O assalariamento colectivista, Consumo e produção, A divisão do trabalho, A descentralização das indústrias, A agricultura.


Os infinitos, de John Banville, em fevereiro

Dezembro 21, 2011

Nova data: Já que demorou a chegada do livro de Banville, posponhemos o clube de leitura sobre Os infinitos para o día 10 de fevereiro ás 21:00 no 13.

Para começar bem o ano escolhimos a um autor que para muitos escreve coma os anjos, o irlandés John Banville, co seu último romance, Os Infinitos. Vémonos o 20 de janeiro ás 21:00 no Treze, cuns bos vinhos diante.

Segundo a editora portuguesa, ediçoes ASA, a trama é a seguinte:
Num lânguido dia de Verão, os Godley juntam-se na casa da família. O velho Adam – marido, pai e matemático – conquistou a sua reputação graças ao conceito de infinito. Mas a sua vida na Terra parece estar a chegar ao fim. A acompanhá-lo nos seus últimos dias estão a mulher e os filhos, cujas relações estão tensas como sempre. Mas eles não estão sozinhos. Os deuses gregos, esses espíritos maliciosos, chegaram e observam em silêncio. Sem que consigam resistir a intervir na vida dos mortais, eles espiam, provocam e seduzem. Para se divertirem, são capazes de tudo. Até mesmo de alterar o Tempo a seu bel-prazer. Transbordante de humor e malícia, Os Infinitos é simultaneamente um festim dissoluto e uma exploração da assustadora e maravilhosa condição humana.

Dezembro: Milagrário pessoal de Agualusa

Novembro 9, 2011

Finalmente,  este foi o livro escolhido. A polémica foi, está e será servida nas travessas do Treze no dia dezaseis ás nove p.m. E para fazer boca apenas um fragmentinho duma entrevista ao escritor encontrada na net.

http://veja.abril.com.br/blog/meus-livros/entrevista/angolano-agualusa-lanca-livro-em-olinda-e-defende-vargas-llosa/

Por falar em livros, você está lançando um romance, Milagrário Pessoal. É verdade que parte da história se passa em Olinda?
Sim. E é um livro sobre a história da língua portuguesa. Uma das personagens do romance nasceu a partir de um jantar, em Lisboa, em que eu conheci uma jovem linguista chamada Mafalda Antunes, cujo trabalho é recolher os neologismos que surgem nas ruas, nos jornais todos os dias. No meu livro, uma linguista inspirada em Mafalda encontra neologismos tão perfeitos que não parecem novidade, parece que sempre existiram. É algo que causa estranheza e ela procura um professor para falar a respeito. Ela entende que aquilo é uma revolução silenciosa, uma subversão da língua, capaz de mudar o modo das pessoas pensarem, porque o ser humano pensa com palavras. O velho linguista concorda com ela, até porque é um homem habituado ao maravilhoso, um sujeito que tem um diário, o Milagrário Pessoal, onde anota os milagres do cotidiano. Ele é um angolano, e angolanos são habituados a ver prodígios. Então, os dois partem em uma viagem em busca da origem desses neologismos perfeitos. É uma viagem através da língua portuguesa. O livro é passado em parte em Olinda, porque eles vêm para a cidade nessa viagem. Acho incrível que ninguém ainda tenha feito um romance sobre a língua portuguesa, com uma história tão rica, marcada por oito séculos de influência árabe, durante a ocupação da Península Ibérica, depois pela influência das colônias portuguesas.

Novembro: A balada do café triste, Carson McCullers

Outubro 10, 2011

Para este mês de Novembro, a proposta é A balada do café triste, da autora norteamericana Carson McCullers.

Esta colecçom de contos (ou novela e contos) reflite algumhas das temáticas e obsessões que se repitem na obra da autora (a soidade, o estranhamento, a diferença…)

Temos a versom em galego na editorial Barbantesa e a versom em português na editora José Olympo. Se alguém quer aventurar-se na versom original em inglês terá que fazer as suas próprias pesquisas :-).

A reuniom será o 4 de Novembro, sexta-feira, como sempre em primeira convocatória às 20.30 na gentalha e a apartir das 21:00 horas no 13.

 

Outubro com Miss Ourense

Setembro 19, 2011

O 6 de outubro, quinta-feira, ás 20:30 na Gentalha do Pichel, e pouco despois no 13 haverá o clube de leitura que está protagonizado por Miss Ourense, de Bieito Iglesias.

Reproducimos a apresentaçom que fai a editora original do livro, Galaxia:
Quatro relatos policíacos ambientados em Ourense e protagonizados pelo inspector Gumersindo Nespereira, um homem que não está disposto a consentir que ninguém lhe tome o pêlo.

Miss Ourense reúne quatro relatos de corte detectivesco, todos eles desenvolvidos no Ourense dos últimos anos sessenta e protagonizados pelo inspector de polícia Gumersindo Nespereira. , A cruz de prata, O que enganam as iguanas e o relato que dá título a este volume são narrações ágeis e bem tramadas que, mais alá dos acontecimentos que as originam, nos deixam enxergar o tecido interno de um tempo de ocultación e de silêncios. O Ourense recreado neste livro esconde no seu interior, baixo a aparência de uma cidade tranquila e provincial, ambições de poder e pecados de cobiça ante as quais uma sociedade cúmplice tenta fechar os olhos e aproveitar o que se possa, sem reparar demasiado nas inevitáveis vítimas. O inspector Nespereira, que é dono de um Dauphine e de um peculiar sentido do humor, sabe que as coisas sempre foram assim e não vai tentar mudá-las. Mas também não vai deixar que ninguém o tome por parvo.

2 de Setembro

Agosto 14, 2011

Depois duma reuniom veraniega de grande e aproveitada leitura, voltamos em setembro, o mês das colecçons impossíveis, com uma leitura finesa.

Toca Arto Paasilinna, com o seu segundo romance traduzido ao galego O muiñeiro ouveador.

Será o 2 de setembro, às 20.30 em, primeira convocatória na Gentalha do Pichel, e às 21.00 em convocatória definitiva. Vemo-nos ali com as leituras feitas!

 

 

 

Capitães da Areia

Junho 22, 2011

Jorge Amado
SEXTA 5 DE AGOSTO ÀS 21:00 NO 13
A cidade de Salvador da Bahia, envolta no charme dos anos cinqüenta, vive uma onda de assaltos. Um bando de meninos de rua, conhecidos como “Capitães da Areia”, são caçados como bandidos perigosos. Olhando de perto, descobrimos que não passam de crianças, quase uma centena delas, vivendo no abandono. Mas não serão meninos para sempre: ao final desta odisséia, muitos terão se tornado homens.
O romance que, além do enredo fascinante, conta com uma narrativa bastante visual e poética, apresenta personagens complexos e profundos, descreve belíssimas locações, sugere diálogos, músicas, climas, parece mesmo ter sido escrito para o cinema. Muitos jovens, a cada nova geração, sonham com a imagem dos Capitães da Areia correndo pelas praias de Salvador.
Este é um dos livros mais vendidos de Jorge Amado: mais de cem edições, totalizando mais de cinco milhões de exemplares em todo o mundo.